Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Ecologia, ecumenismo e ciência
Postado em 03/01/2008

Nas últimas décadas, com alertas à sociedade, ecologistas tentam deter essa tragédia anunciada.  Inúmeras ONGs tentaram colocar ações, projetos e disfarçar mil adjetivos no processo a que os economistas chamam de desenvolvimento    Na "Eco 92", mais um nome nasceu: o "desenvolvimento sustentável."    Porém, o processo de poluição continuou ampliando-se e indiscriminado.


Por isso, como desenvolver de forma ecológica, científica sem contrariar, a própria natureza predatória e violenta da sociedade na exploração dos recursos naturais?  Não há mesa redonda e nem mesa quadrada ou conferencia que mude a realidade ambiental humana


A poderosa UNESCO realizou (abril 2007) um congresso de economistas de vários países da Europa e o tema foi: "Linha do Horizonte: desfazer o desenvolvimento e refazer o mundo".


       


Como será possível avançar idéias, projetos, experiências, estudos, observações, sem um maior diálogo entre sociedade civil e Estado?  Como aceitar a idéia de que decidam por nós?  Vamos substituir a idéia de blocos comerciais de países por uma aliança mundial de nações?  Como fundamentar e regulamentar acerca da riqueza da diversidade das culturas e de cada país, a  respeito à vida?  Ou pior: como considerar normal que no futebol da Espanha, há três (3) jogadores, astros de futebol, (dentre os quais um brasileiro) onde o somatório de suas "declarações de renda" anual correspondente ao "PIB" de 46 países da África?                                                         


Em suma: como cientistas ambientais sobreviverão sem o justo pagamento de seus projetos de interesse a sociedade, sem verbas, nem incentivos ou mesmo sem "science parks"?  E se todos os inventos, patentes, processos são lucrativos mecanismos de impostos e taxas para as cidades, Estados e País? 


 


A hipocrisia da sociedade internacional é grande!  Noticias na mídia afirmam que, para garantir um preço mais elevado para seus produtos, empresários dos EUA pagam a fazendeiros africanos para queimarem todo o seu estoque de cereais.  Assim, a economia fala mais alto do que a ecologia na sobrevivência do próprio país. A filosofia de pátria eu alugo e governante eu compro, ainda é resquício do colonialismo mental-espiritual que há no planeta.


         


A vida na Terra e a paz da sociedade humana dependem de que a economia não seja mais desvinculada da ecologia, da ciência e da Ética religiosa necessárias na vida, para preservação da "natureza das leis" e "leis da natureza" no interesse de todos os povos e dos seres vivos.


Nossos projetos se apóiam na Educação Ambiental gerando consciência ecológica. A estrutura das escolas baseada no sistema de competição de notas, valores, concursos e vestibulares e não premia o "conhecimento". E há um "marketing" da cultura consumista tão responsável pelo desequilíbrio ecológico, como por lixos, resíduos, venenos, guerras que a sociedade produz.


     


 É preciso descolonizar a mente, dependente da propaganda e libertar o imaginário das prisões do consumismo para se reinventar formas de vida alternativas sadias. Buscar o sustentável e o sadio. Por isso, o reencontro com as raízes culturais com nossos antepassados é um bom caminho para esse processo. Algumas comunidades começam a reaproveitar quase tudo o que é jogado fora. As cascas das frutas são transformadas em geléias.  O"espírito de reciclar" vale para se "reciclar o espírito". E Isto é que precisamos no "I Congresso Internacional Ecológico, Ecumênico e Científico", (26 e 27) em Londrina.


 


Reciclar é preciso. Reeducar para as inter-relações homem-natureza e as novas gerações entender o uso da energia e da natureza. Reciclar mentes e desarmar espíritos é imperioso caminho ambiental para Paz. Todos os cuidados ecológicos têm uma essência: a relação ética de amor e de comunhão com a natureza. Essa é missão de todos nós.


    


Aos buscadores, missionários, padres, condutores, pastores, rabinos, mestres, etc., políticos, cientistas e ecologistas entendam a frase de Madame Blavastky :  "Não há religião superior à Verdade."


    


 A realidade e relação se inscrevem no próprio âmbito de uma espiritualidade ecológica e ecumênica que, hoje atualizamos, na citação de um cristão do século II: "Contempla uma árvore e estarás vendo minha presença. Sente o roçar do vento em teu corpo, é meu carinho para contigo. Em cada poeira da estrada e nas flores do caminho, tu podes me encontrar. Basta levantares uma pedra e ali encontras o teu Deus".  Quando deixaremos de teorias e passaremos à prática da ecologia científica e ecumênica para salvação de nosso lugar e do planeta?   Acredito que Ecologia, Religião e Ciência só valem à pena se ajudar a humanidade a viver e conviver num processo paz.  Por isso, persistimos em nossa luta!


 


Dr. Gilnei Fróes – Gestor Ambiental, Medico Veterinário, autor de "Dossiê da Amazônia"


                              Presidente do Instituto Bering Fróes Eco Global  -  www.ibfecoglobal.org


 

ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Ponte Molhada - Cascavel
Cascavel - por Sergio Sanderson
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1664861 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação