Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Campanha do desarmamento
Postado em 20/09/2004


 


Em 1911, a Turquia inventou este "truque político". Depois entre 1915 à 1917, 1,5 milhões de "armênios" (...sem direito de defesa) foram caçados e dizimados.


Em 1929, a União Soviética  lançou esta estratégia. A povo civilizado acreditou. Resultado: entre


1929 a 1953, de 19 à 20 milhões de dissidentes do regime político totalitarista, (...sem direito de defesa) foram mortos.


 


Em 1935, a China desarmou a população.  De 1948 a 1952, 20 milhões de dissidentes (...sem direito de defesa) do regime comunista foram exterminados.


Em 1938, foi a vez da Alemanha. De 1939 a 1945, a população ordeira acreditou e 13 milhões de não-arianos e judeus, (...sem direito de defesa) foram exterminados.


 


Em 1964, a Guatemala desarmou o povo.  De 1964 a 1981, 100 mil índios Maias, (...sem direito de defesa) foram exterminados.


 


Em 1956, o Camboja desarmou a população. De 1975 a 1977, 1 milhão de pessoas cultas e instruídas (...sem direito de defesa) por pensarem na situação política, foram presos e mortos.


 


Em 1970, Uganda repetiu a história dos crimes contra a humanidade. De 1970 a 1979, 300 mil cristãos (...sem direito de defesa), idem exterminados.


 


Em 2003, a Austrália editou uma Lei de Desarmamento. Foram 640.381 armas entregues e destruídas.  Resultados: Homicídio= 3,2% maior; Agressões = 8,6 maior.  Assaltos a mão armada: 44% maior. Só no Estado de Vitória: Homicídios = 300 % (trezentos por cento) à mais.  A conclusão vem logo nas próximas eleições! Os eleitores cansados de tanta insegurança – porque criminoso ignora a Lei – quer explicações do custo ( U $ 500 milhões de dólares) da Campanha que foi um tiro no peito da sociedade.  E aqui no Brasil, quanto está sendo  gasto ?  Quem, se beneficia?


 


Em 2001, o Reino Unido idem. Londres já detém o título de "Capital do Crime", pois 9.974 crimes aconteceram por assaltos a pessoas (...sem direito de defesa!)  E a polícia inglesa, famosa só por usar cassetetes, adotou a arma de fogo na sua defesa.


Mas porque algumas "ONGs" internacionais defendem e pregam o desarmamento?  Que propósitos existem à longo prazo?  Será uma paranóia herdada pela própria história?   Porque não adotam criminosos para regenerá-los no seu país?


 


Ironicamente, nos Estados Unidos, se compra armas pelo Correio. E os Estados têm Leis liberais para a população ordeira e os índices de criminalidade são baixíssimos.  Exceção: na capital, Washington, onde a "proibição é total".  A criminalidade transforma-a na cidade mais criminosa do País, e talvez das Américas.


ASSIM, como salvar vidas de familiares?  Ou defender nossas propriedades?


Com armas (registradas, legais, com CPF, endereço certo, profissão) somos cidadãos livres.  Sem armas, somos vitimas e prisioneiros das leis absurdas.


 


De tudo que aprendi – com o desarmamento – que só os bandidos adoraram a Lei. Uns criminosos até dizem que classe mantém classe!  E agradecem, porque o serviço deles está cada vez mais seguro.     Uma arma na mão é um direito de defesa!


 


Você  - empresário - tem dinheiro para sua família andar de carro blindado?  E ter garantias constitucionais e sociais?  Ou manter um guarda-costas 24 horas – (...como a maioria dos políticos!) e pagos com nosso dinheiro?  Podemos acreditar em tal consulta plebiscito?  Na próxima eleição acreditaremos, em que ou quem?  


Seja um cidadão ecologicamente correto.  Além de educação, cultura, meio-ambiente saudável, empregos e segurança,  exija uma postura digna do seu Deputado Federal ou Senador de sua região, para banir esta "Lei" absurda.  Cobre segurança dos Prefeitos e vereadores eleitos.  Este é o trabalho deles, trabalhar por nossa sociedade.  Eliminar armas dos cidadãos, não elimina o cidadão de ser vítima das armas.   Será que as fartas, variadas e estúpidas notícias de crimes – na Mídia – não são provas suficientes para uma reflexão da sociedade?  A lei não mexe na causa ou elimina os  criminosos. Quem não luta por seus direitos, não tem direito a luta!  Nem armas de brinquedo; nem brinquedos de armas ...mas direito de defesa !   


 


Porém, antes de retirar uma ou duas armas de pessoas idôneas ( sem antecedentes!) famílias, fazendeiros, profissionais liberais, empresários trabalhadores, - construtores da sociedade - não seria mais eficaz descobrir como desarmar o "general fome", da crescente guerra da miséria humana?  Ou fazer um plebiscito para extinguir a violência do analfabetismo?  Ou do desemprego?  Ou violência da falta de planejamento familiar?  Até quando o Planeta Terra suportará tanta violência de rapinagem de seus recursos naturais?  Violência do  extermínio da Floresta Amazônica?   E a poluição de rios e mananciais continuará?   Será que a corrupção, dá credibilidade para tal plebiscito?  Se o povo decide errado, o Parlamento (...lava as mãos! ) e legitima o erro?  Se até os criminosos têm direito de defesa legal-constitucional..., quem impedirá a defesa da sociedade inocente?


 


A frase de "Benjamim Franklin" (1706-1790), faz-nos pensar se ...certos movimentos, podem ser movimentos certos?    Disse o cientista, em secular alerta: "Quando todas as armas forem propriedade do governo, este decidirá de quem serão as propriedades."   


Se o voto é uma arma democrática, - na consulta-plebiscito - você vai se suicidar de novo?


 


Publicado: Jornal  "O  PARANÁ" ( Em 20/09/2005)  /  Diário da Manhã, Pelotas, RS   /  ECOmagazine


 


Dr. Gilnei  Fróes  Gestão Ambiental, Médico-veterinário, ecólogo, amazonólogo, coordenador do Programa  "SOS" Planeta Terra.  Em 1990, indicado ao "The Rolex Awards" (Suíça) e ao "The Global Awards 500" (Kenia) por entidades ambientais de SC e RS.  Premio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, com o artigo "TAIM: Paralelo  33... ameaçado!" (Jornal da Manhã). Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global".                                           Autor de projetos ambientais internacionais. 

ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Cascavel - por Sergio Sanderson
Ponte Molhada - Cascavel
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1664822 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação