Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Grupo testa vacina adesiva contra mal de Alzheimer
Postado em 23/01/2007
"As vacinas convencionais que estão sendo testadas não são idênticas às usadas para infecções. Em vez de uma ou duas doses, será preciso tomar várias injeções para o resto da vida para que algum grau de proteção ocorra", explica Jun Tan, um dos autores do trabalho norte-americano.

Nesse caso, o medicamento é injetado diretamente na veia, sem ser absorvido pela pele. Segundo o pesquisador, por ser muito simples e pouco invasiva é que a técnica do adesivo cutâneo foi pensada por ele e seus colaboradores como uma opção viável.

"Já vimos que existe um potencial promissor para essa técnica, que poderá transformar-se em uma terapia eficiente contra o Alzheimer", explica. O caminho convencional, também em estudo, sofreu um duro golpe recentemente.

Depois de passar com sucesso pela fase de testes no laboratório, o medicamento chegou a ser aplicado em humanos. Estudos publicados em 2003 e 2005 mostraram que, em 6% dos pacientes testados, a vacina causou inflamação cerebrais sérias. Alguns pacientes morreram por causa disso.

"Esse foi um efeito secundário da reação auto-imune. As células do próprio corpo atacaram de forma agressiva as proteínas produzidas pelo organismo", explica Tan.

Apesar dos efeitos indesejados, os estudos continuaram. No mesmo grupo que recebeu as doses, alguns pacientes não sofreram com os efeitos adversos e ainda tiveram melhora em seus níveis de inflamação.

Um grupo de pesquisa europeu, por exemplo, que usa um mecanismo convencional um pouco diferente do utilizado no passado (para tentar fugir das respostas auto-imunes), anunciou no início do mês que vai iniciar em três anos os testes em humanos de uma vacina contra o Alzheimer.

No caso da pele, explica Tan, as células presentes nesse órgão --o maior do corpo humano-- não geram os mesmos efeitos colaterais já observados. "Muito pelo contrário. Ela até ajuda o processo a surtir efeito", afirma.

Proteína destruidora

Os pesquisadores já sabem que o Alzheimer é provocado pelo acúmulo excessivo da proteína beta-amilóide. Essa molécula forma placas no cérebro, ocasionando inflamações que acabam por destruir os neurônios que estavam sadios. É exatamente contra ela que a vacina deverá atuar.

Os cientistas, por enquanto, preferem a cautela quando o assunto é passar para a próxima fase da pesquisa. "Nós esperamos que os próximos experimentos, que serão feitos em camundongos, consigam reduzir a perda de memória induzida pelo Alzheimer, como também que as placas senis sejam reduzidas."

Segundo Tan, se tudo ocorrer bem e a próxima fase também for um sucesso, é que os próximos passos [os testes em humanos] serão pensados.
Como mirar o futuro também é uma mania dos cientistas, o pesquisador radicado na Flórida deixou escapar um pequeno otimismo.

"Além do adesivo, talvez seja possível até pensar em alguma substância tópica [uma pomada ou gel, por exemplo] para ser aplicada sobre a pele."
ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Ponte Molhada - Cascavel
Cascavel - por Sergio Sanderson
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1777670 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação