Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Usinas de Álcool em Porto Seguro
Postado em 14/02/2006

 


                Num coro ensaiado às pressas, a letra da canção ( de "Dobela") dizia: "Tudo é tão lindo, mar aberto, céu azul / Uma história na memória, foi aqui que tudo começou / O índio canta com amor e liberdade / Tem paz, tem tranqüilidade, tudo como começou / Correm riachos de água pura, cristalina /  Caça, peixes, passarinhos, fauna, flora, que beleza /  Mas chega o homem com uma idéia assassina / Querendo fazer Usina pra acabar com a Natureza  /  O que será da nossa fauna, nossa história?  / Progresso chegando, Natureza indo embora / Usina não, usina não, usina é poluição."


                Na segunda parte, ironicamente, dizia:  " O que será dos nossos campos sem mais flores?  / O que será das nossas praias poluídas / Nossas águas já sem vida / O que será dos pescadores / O que será da nossa fauna, nossa História /  Progresso chegando, Natureza indo embora /  USINA NÃO / USINA  NÃO, USINA não, Usina é poluição." 


                Nosso movimento, nossa exigência, nossa participação era de restaurar a Memória Nacional, numa cidade "Monumento da Humanidade".     Ademais, foi ali que chegaram nossos antepassados e foi ali  que nosso País – ironicamente – começou a sua História.   A social, com a implantação dos "marcos de posse" territorial, depois da esquadra de "Pedro Álvares Cabral", consolidando a descoberta de fato, em rota de viagem anteriormente feita pelo navegador lusitano "Estevão Fróes", em 1496, documentados na "Torre de Tombo", em Portugal.               


E a história de nossos descasos ambientais, representada pela devastação de nossa fabulosa "Floresta de  Pau-Brasil"?...extinta?   Permitir-se-á a devastação de outro santuário histórico-ambiental do país?  Assim, na tentativa de ampliação da discussão com a Sociedade, retardando, protelando e até mesmo conseguindo-se impedir a implantação de um " Pólo Alcooleiro " no extremo Sul da Bahia, abrangendo também os municípios de Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas, Medeiros Neto e Nova Viçosa.


            Em decorrência desta nefasta intenção pseudo-desenvolvimentista, aconteceria a "poluição do ar" ( com os maus cheiros característicos); "contaminação dos rios e parte do Oceano Atlântico" ( pelo vinhoto e resíduos ); bem como o completo extermínio dos ricos ecossistemas aquáticos, dos inúmeros manguezais da região.


                Provando que a causa era justíssima, nosso grupo denominado "Movimento de Defesa do Município de Porto Seguro" ( com um peixinho dentro de um círculo, como símbolo logotipo ) até obteve muito apoio do Poder Político, tanto da "Prefeitura Municipal", como da "Câmara Municipal de Vereadores", onde obtivemos uma vitória  com a aprovação da Lei N° 06, de 18 de maio de 1984 ( Que estabelece a proibição de implantação de industrias de alto poder poluentes).            No mesmo ano, outra conquista expressa na "Lei N° 08 de 23 de Outubro de 1984" que criou o "Conselho Municipal de Meio Ambiente."


                Então, os questionamentos e reivindicações da sociedade não são justos?     O meio ambiente não é defensável em qualquer parte do Planeta Terra?  Não é possível se obter progresso sem destruição ambiental?      E um carnavalzinho fora de época, não chama atenção dos Meios de Comunicações?         Quem sabe, os brasileiros precisam aprender a botar o bloco na rua, por nobres causas ambientais?


                No caso de Porto Seguro, os potenciais de Turismo Ecológico e Científico, não seriam extintos também?  Hotéis, restaurantes e pousadas não entrariam em falência?    E a falência dos "ecossistemas", mananciais e paisagismo com ricos patrimônios zôobotânicos,  tem que ser tão fraudulenta assim?


                Neste momento, quantas praias bonitas estão sendo vítimas da poluição industrial e urbana?   Quando haverá  uma " Polícia Meio-Ambiental " para sustentar a aplicação das leis de proteção ambiental?   Quando não mais houver Natureza?  ...Ou depois do Apocalipse?


( Publicado: Diário da Manhã, 10 de Fevereiro de 1991   /  "Gazeta da Liberdade" - Salvador, Bahia)

           


 Dr. Gilnei Fróes -  médico-veterinário,
gestor ambiental, ecólogo, amazonólogo e coordenador do Programa
Internacional "SOS" Planeta Terra. Em 1990, indicado ao "The Rolex
Awards" (Suíça) e ao "The Global 500 Awards (Kenia), por entidades de SC
e RS. Premio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do Rio Grande
do Sul, com o artigo "TAIM: Paralelo 33... ameaçado!"   Autor do livro "Dossiê da Amazônia".  Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global".

ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Cascavel - por Sergio Sanderson
Ponte Molhada - Cascavel
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1570402 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

+55 45 3227 7750

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação