Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
SOS Planeta Terra - Fantasma da Ópera
Postado em 05/05/2011
Será que o "fantasma da ópera" foi um dos monstros clássicos do terror? Ou um terror clássico monstruoso? Bem isto é que cada um vai julgar segundo sua lógica.

Nascido da literatura inglesa veio consagrar definitivamente lugar na Broadway e deixar sua marca registrada de imortalidade nas telas do cinema, com trilha musical fantástica! Ou fantasmagórica?  Em aparições nos palcos dos teatros do planeta Terra, talvez tenha sido o personagem que, apesar de ser o menos falava, aparecia ? contracenava ? e menos conhecido nas páginas da estória, nas relações dos personagens, certamente é o que mais dignamente foi considerado pelos jornais do nosso mundo de carne e osso.

Foi sempre um espetáculo envolto por uma névoa tênue de comentários, pois os críticos temiam terem os pés puxados durante o sono ou nas sombrias redações de jornais na época do feito. Nem os lobisomens assustavam mais do que nosso invisível personagem.

Sabemos que o gênero de ?terror?, apesar dos sustos imprevisíveis, é um investimento rentável para as produções, pois têm seletas platéias ávidas de inovações do imaginário teatral.

A minha vida de universitário foi um clássico ?genuíno de terror?!  Atuante, como presidente da FAP (Federação Acadêmica Universitária, congregando todos os Diretórios Acadêmicos), nos pagos do Rio Grande do Sul, enfrentamos os absurdos impostos pelo ?terror genuíno? da época. Assim, fantasmas nacionais também fizeram aparições, que não chegaram, aos pés de Idi Amim Dada, em Uganda, na África. Ou, do enfrentamento de ?Tutsi versus Hutus?, em Ruanda. Mas, mesmo assim, foi um terror!

Por isso, buscando lapidar nosso "bom espírito" de solidariedade em causas impossíveis e que não geram fortunas pessoais; mas são imunidades, para não afugentar os "bons espíritos" que sempre nos protegem, adotamos a causa ecológica planetária como uma abençoada barricada de lutas ambientais.  as urbes vemos um corpo mutilado aqui ou acolá! (...em ruas, fruto da ausência da "guerra política" contra a "violência da ignorância"!) E procissões de mortos vítimas das políticas de guerras ( constatada pela ?ignorância da violência? coletiva), - via TV - em dezenas de países! Florestas, (com ovos, ninhos, filhotes e mães-matrizes), fulminados pela ganância de poucos, em prejuízo de todos. Há muito mais! Sabemos!

No teatro da vida há fantasmas que ainda vão fazer aparições. Entrarão em cena no momento exato, no clímax das incertezas ambientais planetárias. Podem ser o fantasma da epidemia que ronda nossa carcaça corpórea; pode ser o tal meteoro que, perambula no jogo de bilhar cósmico; (na possibilidade destrutiva de sermos a ?bola? da vez!) e mais simples: uma nova Era do Gelo, alternada com Aquecimento Global, aliada a suba do nível dos oceanos, pela constante falta de inovação e visão global de todos governantes.   

Mas, uma Terceira Guerra Nuclear Mundial, não pode ser descartada das previsões.  E assim, pensar que precisamos estar preparados para a Quarta Guerra Mundial da Sobrevivência. Os restantes armados de paus, pedras, foices disputarão uma poça d?água ou migalhas contaminadas de alimentos. Se o fantasma da ópera é famoso, imagine um coletivo de fantasmas possessos & desesperados batendo às portas das Catedrais do Invisível?  

Pensar, agir e prevenir hoje, será que pode mudar o nosso existencial amanhã?

Na peça, antes de se tornar fantasma, o personagem queria roubar a bem amada. Perseguido, houve um incêndio e ele morreu soterrado nos escombros. Virou fantasma! Numa apresentação da peça um "lustre de cristal"  "misteriosamente"  caiu no teatro sobre a platéia. Que energias estranhas acompanhavam os artistas?! E, comparativamente, que energias negativas envolvem nosso teatro planetário?

Em nosso papel de fantasmas do planeta, somos atores iguais com diferentes maquiagens e vaidades.  O teatro planeta Terra é um espetáculo único nos Cosmos. Pena que somos um elenco de comediantes desmiolados, e a desfiguração não é só no rosto. Mas sim, mais assustadora! Uma deformação no cérebro dos maus governantes do planeta, que só vem economia, sem ver o palco da ecologia que nos dá lucro e sustentabilidade vital.

O que poderá cair em nossas cabeças? Granizo? Neve? Neutrinos? Meteoros?  Respiraremos fumaças, poeiras, radiações? Ou seremos os próprios fantasmas do planeta assistindo de camarote o "début" de nossa desprotegida casa sideral em franca eco catástrofe? Como se diz no teatro de encenações deve valer para nossa encenação teatral: "Beaucoup de merde!".  É a frase clássica, desejando sorte ao elenco!  Para que tudo comece e termine bem na "vida do espetáculo". Será que vale para o "espetáculo da vida"?   

O clássico teatral -"Fantasma da Ópera" - nos ensina que o planeta vivencia uma "ópera de fantasmas"?  Nossa encenação continua: consumista, de degradação da natureza e impiedosa poluição dos ecossistemas. Até o próximo ato! ... final!



Dr. Gilnei Fróes - (Escritor técnico-científico, Ecólogo, Médico-veterinário, Gestor Ambiental)    Em 1990 ? Prêmio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do RGS (com artigo: "TAIM: paralelo 33° ...ameaçado"  (Diário da Manhã ? Pelotas / RS);                                                                                           Indicação
ao "The Rolex Awards 1990 (Genebra); e ao "The Global 500 Awards" (ONU /
Kenya) Autor de livros: como "Dossiê da Amazônia".  1° Premio do "I Latino Ambiental Awards". Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global" .  Autor de projetos ambientais internacionais.



ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Ponte Molhada - Cascavel
Cascavel - por Sergio Sanderson
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1570369 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

+55 45 3227 7750

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação