Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
SOS Planeta Terra - Alerta
Postado em 05/05/2011
Eis nosso ?alerta SOS? versus ?alerta vermelho? dos estrangeiros. Volto questionar: Como preservar todas milhares de espécies ameaçadas? Há décadas, em alertas educativos, fui rotulado de alarmista. Agora, que faço necro-alertas negros, (em ecotrevas dominantes) sou considerado, profeta da ecoapocalipse. Está consolidado o processo de extinção. A extinção tem a mesma idade do homem na Terra. Porém, é óbvio que os cientistas ( alguns bem pagos!) calculam o que interessa divulgar, não é mesmo?

O mundo perde hoje cerca de mil a 10 mil vezes mais espécies que a taxa de extinção do passado. Um erro de 9 mil vezes, poderá ser uma certeza matemática? E pior! As lindas borboletas da nossa infância sumiram dos jardins e das nossas primaveras. Os besouros são raridades. O canto das cigarrras, não faz parte da sonfonia da natureza. E o urso polar, sem geleiras, nem rios e nem peixes, já está classificado pelo governo dos EUA como um animal ameaçado de extinção. Isso será normal? Cadê as ONGs?

 

Primeiro some o habitat. Depois os bichos. A seguir a humanidade. Obvio! A aceleração do ritmo de derretimento do gelo do Ártico, em função do aquecimento global (que anunciei há 22 anos) em entrevista passou como um desabafo. Tudo acontece em igual ritmo em que descongelamos nossos ?freezers? na cozinha de casa. Mas a vida é isso! Essa banalidade! Aceita-se que inexistirá ?habitat? em poucas décadas e pronto! Os cientístas resolverão, dizem! Indago: onde? Quando? Como? E com que recursos?

Especialistas internacionais calculam que mais de 15 mil espécies estão na lista de extinção. E a extinção, sempre digo, é para sempre! Já é difícil se dizer quantas espécies foram extintas no último século. Mas o registro de declínio de populações, (seja de animais e/ou plantas), neste século passado, não têm um ?mapa da devastação? como tal entrevista dos anos 80.

Assim como o conceito técnico de extinção (ou da relatividade do tempo!) não são muito claros para as populações e governos, o tema passa em branco. Em suma: uma espécie só é considerada extinta depois de exaustiva$$$s pesquisas em um vasto e ilimitado número de ?habitat? pesquisados e nenhum indivíduo for encontrado.

Mas o que é ?uma espécie em extinção? para fazer frente a um jogo da Copa dos Campeões? Ou da nossa torcida na Taça Libertadores da América? Ou ao milésimo encantado gol de Romário? Mas, o que vale projetos de cientista ambientais, se falta apoio, recursos e consciencia do poder?

Para pesquisar apenas ?uma (1) espécie extinta?, isto pode consumir décadas de pesquisas, além de milhares de pesquisadores e bilhões de dólares. E isso, só para se obter o ?atestado de óbito? da espécie. Ora, pode passar um século para uma espécie ser considerada extinta, pois mesmo sendo raramente vista, um casal bichinhos apaixonados podem sobreviver, numa verde esperança perdida. Seja numa ilha remota ou mata longíncua. O ?homo sapiens? terá igual destino? Bem! O que voce acha? Enquanto isso, a extinção continua...

Por isso, mesmo que os cientistas suspeitem fortemente que um animal foi extinto, não podem expressar um "laudo" até um tempo ter passado desde a última observação. E isso pode significar e demandar meio século ou mais de pesquisas... para declarar a espécie extinta.

Conservacionistas calculam que desde 1500 houve mais de 800 registros de extinção, porém não há um único e verdadeiro documento com número oficial. É veraz que, os números são certamente muito maior, visto os graus de devastação planetária de todos ecossistemas em todos países... são permanentes!

Há cálculos! Dizem ? vagamente - que um em cada quatro mamíferos; e um a cada oito passaros estão em fase de extinção. Metade de todas as tartarugas marinhas e de água doce estão em extinção. Os anfíbios, por andarem em terra e água, padecem de maiores indices de riscos, sendo duplamente vítimas. Assim, temos uma (1) a cada três (3) espécies em sério risco de extinção e mais de 120 espécies consagradas como extintas, só nestes últimos 30 anos.

Em 2002, no último inventário de animais brasileiros ameaçados de extinção, o censo da morte contabilizou 627 espécies extintas. Em 1989, na lista de doze (12) anos antes, os dados eram tres (3) vezes menor. Hoje, será que o número triplicou? Quintuplicou? Ou centuplicou? Quem sabe responder?

E detalhe: apesar da ignorância, da ganância e da inoperância, o Brasil ainda está abaixo de padrões internacionais de extinção. Considera-se legalmente tolerável que até 12% da fauna estejam ameaçados. Você acredita que no Brasil, esse número seja apenas (9%) nove por cento? Para este ?estudo? (entre ?aspas? ) de comparação, são analisados apenas mamíferos e aves. Ora, e os outros bichinhos e plantinhas, indicadores de vida? De sustentação dos ciclos da cadeia alimentar? Porque não os contam? Por acaso não são espécies? Elos da cadeia alimentar dos demais?

Porém, o que perguntei em matéria jornalistica, ainda está sem resposta! É uma simples pergunta. Quem têm o ?mapa da devastação?? Quantas espécies desapareceram mesmo? Ou quem ainda está vivo? Quem têm um catálogo e um manual original de Deus, (na sua criatividade infinita de animais, vegetais, minerais), com os modelos, formas e ?designs? e funções de tudo na Mãe-Natureza? Cadê as minhocas?

Como Gestor Ambiental, preciso ter um ?manual? do funcionamento (com normas, leis, etc) o mais perfeito possivel e menos lesivo meio ambiente. Do contrário, como análisar os ?impactos ambientais?? Como emitir pareceres? Ou laudos técnicos? Baseado em que?

Até hoje, cerca de 1,5 milhão de animais e plantas já foram identificados: ganharam um nome de batismo. Porém, os numeros reais ultrapassam a 15 milhões. Outras estimativas científicas, afirmam ser maiores do que 30 milhões, Porque destruir o que nem conhecemos nem catalogamos? Quem tem um catálogo global das espécies?

A última passagem de extinção - pelo qual passou o Planeta Terra - foi há 65 milhões de anos. Sumiram com os poderosos dinossauros. Teorias: asteróide, erupções vulcânicas, mudanças climáticas, etc. Mas desaparecerem! Há arqueólogos perdidos juntando ossos espalhados por todos recantos do planeta.

Mas outra extinção maior do que todas, ocorreu cerca de 250 milhões de anos. Na época, 90% da vida marinha e 70% das espécies terrestres sumiram. E a hipótese diz que alguma coisa aconteceu na biosfera terrestre, exterminando todo o "oxigênio". Mas como e porque o "oxigenio" desapareceu? Seriam gases tóxicos de vulcões em erupção?

A principal razão de preocupações com o ritmo da extinções é de que, nem toda a tecnologia atual, garante vida a humanidade. Dependemos de uma alquimia sutil: barata e impagável e desprezada pelos poderosos. O "balanço ecológico" da Natureza, é inverso à natureza dos balanços econômicos.

Como sobreviver sem ar limpo, água potável pura, alimentos saudáveis e novos medicamentos. Estamos num processo de mudanças! Mudança climáticas que exigem mudanças de atitudes. Já causamos mil ferimentos na vida planetária. As crises e colapso do sistema de suporte a vida natural estão na cara e casa de todos. A biodiversidade do Planeta Terra é esta coleção integrada de vidas!

Mas o pior: não sabem que, a vida no Planeta Terra demorou milhões de anos para se recuperar daquelas ? dinossauricas - extinções coletivas. Que pode ser extinta em dias por absurda III Guerra Nuclear? Eis as últimas razões para ficarmos espertos; atentos! Ela é de natureza consumista e ecofilosófica. Se os seres humanos que conservam , partituras, livros em bibliotécas, trabalhos de arte em museus e coleções de selos e moedas, por que não conservar o germoplasma da natureza ? Será que a extinção das borboletas e florestas é menos importante que um velho quadro de Rembrandt ou um Picasso rasgados? Ou roubados de um Museu?

Como rever conceitos, valores e governos despreparados? Quando a sociedade acordará meu Deus !? Ou quando Deus acordará a sociedade?

Dr. Gilnei Fróes - (Escritor técnico-científico, Ecólogo, Médico-veterinário, Gestor Ambiental)    Em 1990 ? Prêmio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do RGS (com artigo: "TAIM: paralelo 33° ...ameaçado"  (Diário da Manhã ? Pelotas / RS);




Indicação
ao "The Rolex Awards 1990 (Genebra); e ao "The Global 500 Awards" (ONU /
Kenya) Autor de livros: como "Dossiê da Amazônia".  1° Premio do "I Latino Ambiental Awards". Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global" .  Autor de projetos ambientais internacionais.




ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Ponte Molhada - Cascavel
Cascavel - por Sergio Sanderson
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1570288 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

+55 45 3227 7750

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação