Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
SOS Planeta Terra - Evasão de Cérebro e Projetos
Postado em 05/05/2011
Em palestras sempre recordo que a informação é essencial, a educação é meio caminho, mas só o conhecimento é poder.  A evasão de cientistas ? com competência & criatividade ? e capacidade de gerar idéias e projetos inovadores, mesmo com formação em países do terceiro mundo, tem lugar seguro nos Países Desenvolvidos.

Gosto do futebol arte, mas creio que nenhum dos melhores drible e chute do mundo esportivo vai salvar a humanidade. Em alguns países desenvolvidos também se pagam altos salários a alguns jogadores. Porém, os cientistas que tentam driblar as adversidades ambientais, superar os mistérios e labirintos das doenças (criando vacinas, medicamentos, técnicas, soluções)  e, certamente têm mais importância para a sociedade, tendo que buscar na emigração para outros países (outros hinos, bandeiras, idiomas, leis, tradições, etc.), na busca de condições propícias de trabalho, pesquisas e oportunidades para desenvolvimento de produtos e serviços de interesse planetário.

Navegar é preciso. Emigrar é preciso. Inovar é tudo! Ademais, conheceis aquele ditado, ?que santo de casa não faz milagres?? E isso continua verdade absoluta!

Há também múltiplos governos de países, (...nações desenvolvidas é claro!) que observam com apreensão a possibilidade de imensas perdas territoriais, de estratégia geopolítica e produtiva, em decorrência dos desafios das mudanças climáticas. Perdas ecológicas ampliando desastres na economia!

Por pisotearem nos salários dos próprios compatriotas, observa-se a perda de cientistas (...com a mente repleta de idéias!), perdendo todo o investimento público em sua formação. Tal como espiões têm que trocar ? seus interesses de sobrevivência ? de lado. E se descaracterizam as possibilidades de desenvolvimento social, econômico, científico, ecológico e tecnológico dos países ? em especial o Brasil ? que terá este problema cada vez mais ampliado.

Mesmo projetos avançados, penam! De nada adianta levá-los a consideração da ?SBPC? ( Sociedade Brasileira de Proteção Ciência) que está mendigando recursos, oportunidades, espaço aos governos, sem poder transferir oportunidades aos cientistas nacionais.
Assim, os EUA e emirados Árabes, China e poucos países Latinos ( que precisam desenvolvimento!) são o grande oásis dos pesquisadores criativos, pois as idéias de projetos são levadas a sério, com investimentos de empresas e avançados laboratórios de biotecnologia.

Aqui inexiste o diálogo sociedade-governo, não abrigamos nem nossos melhores cientistas. Hoje, nos Estados Unidos, mais de 500 mil pesquisadores (...cansados da Europa) são membros de instituições com códigos, senhas, segredos, etc. e muito profissionalismo, com salários recompensadores, que são o estímulo certo para compensar o monastério da carreira cientifica.

Os cientistas, esquecem de viver em sociedade, de conviver com sua família, sendo prisioneiros das placas de Petri, das viagens microscópica ao interior das células.  

Assim, a fuga de cérebros científicos, passa por muros invisíveis e pela Bolsa do Futuro e fronteiras de países. Só assim, nascem novos medicamentos, novos alimentos, novos suplementos, nova cosmética!

A ?Bolsa de Valores? precisa investir em cérebros & projetos, que certamente são mais valiosos que os ?valores da bolsa? da moda, cujo ?design? da venda de uma unidade num ?shopping? vale muito mais do que a cabeça do cientista.

Saiba que um pesquisador não é um ?estudantezinho? que vai cumprir horário de emprego num laboratório. Ele vive 24 horas pensando! Não é um simples esforço de jogo de 90 minutos. Às vezes, envolve toda vida do sujeito para ? anos depois - outro cientista ter um ?clic? mental e obter a solução e ganhar um Premio Nobel. No caso de uma tecnópole, temos uma fábrica de empresas.

Somos poucos... mas somos muito importantes para a sociedade planetária. Mas se nada for feito para resgatarmos a ?C&TI?, seremos a sociedade mais apta do planeta a voltar à sobrevivência manual (...igualzinho ? como exemplo - ao Haiti), porque na cabeça dos que detém o poder não passa a idéia que estamos rumando para a ?sobrevivência manual?... muito rapidamente. Assim, aglutinar soluções é vital!

A eco apocalipse não mandará mais avisos, pois já está ? gradativa e violentamente ? em fase de acontecimento. Nosso planeta ? como uma arca de Noé ? por vezes incendiará e congelará além de pessoas, toda economia vital planetária.

Nos rumos de nossos projetos aliamos a perspectiva de aliar a pesquisa básica (universidade) com a pesquisa aplicada (empresas). O discurso ruma para a prática (...a passos de tartaruga) ao passo que a degradação e devastação ambiental, as epidemias e novas doenças, correm na outra direção (... como veado fugindo do leão), sem perspectivas de um futuro menos funesto.

Quando um país decide e encomenda um projeto (... de um produto, um edifício; de um ?science park? ou de uma ?tecnópole?; uma barragem;) realiza a aprovação das ?idéias dessa viagem? para que se realize a ?viagem dessas idéias? concebidas pela criatividade do autor, um mero projetista. A propaganda não é alma do negócio; mas sim os segredos; as estratégias que serão programadas. Em suma: seria querer construir ?Brasília? sem entender os caminhos secretos de uma cabala movida pelo ?design?.

Aos empresários ? pelo principio da precaução ? alerto que apóiem projetos de inovação ambiental, que contratem e invistam em ?professores pardais?, pois as relações ONGs-Empresas precisam ser lapidadas, resgatadas e caminhar na mesma direção.

Do contrário, como reter talentos?  Não são os cérebros que fazem a diferença frente aos desafios da liderança de mercado? Quem não acredita... que dinheiro pode comprar talentos? ... e fazer a diferença! Que mágica, produz eco desenvolvimento, sem investimentos em ?staff? humano?

Dr. Gilnei Fróes - (Escritor técnico-científico, Ecólogo, Médico-veterinário, Gestor Ambiental)    Em 1990 ? Prêmio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do RGS (com artigo: "TAIM: paralelo 33° ...ameaçado"  (Diário da Manhã ? Pelotas / RS);




Indicação
ao "The Rolex Awards 1990 (Genebra); e ao "The Global 500 Awards" (ONU /
Kenya) Autor de livros: como "Dossiê da Amazônia".  1° Premio do "I Latino Ambiental Awards". Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global" .  Autor de projetos ambientais internacionais.



ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Cascavel - por Sergio Sanderson
Ponte Molhada - Cascavel
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1570333 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

+55 45 3227 7750

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação