Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Você está aqui
SOS Planeta Terra -> Série Água
Série Água 1
Postado em 07/02/2006

Na minha inocência infantil, ao chegar na "fazenda", depois de abraçar os cachorros, corria para a velha "cacimba".  Cacimba – para quem não sabe – é uma espécie de poço, uma vertente natural , protegida por uma casinha de madeira. Água fresca, fria para se beber à vontade, alimentando gerações por décadas. 


Águas que saciaram a sede dos soldados da "Revolução Farroupilha" que, de tempos em tempos, passavam em piquete revolucionário, nas terras de meus bisavós e avós na Fazenda de Santo Amor, (Morro Redondo), Pelotas.


 


Naquela época, - anos 50 - não passava pela cabeça de ninguém, preocupações com a futura falta d’água.  Nem fatalismos nas plantações, pois as estações das chuvas eram pontuais como o dourado relógio de bolso de meu avô.


Nada para pensar nem assustar. Nem se sabia de palavras ainda estranhas, como meteorológicas, hidrológica, agrícolas, demográficas e tampouco ecológicas... ou preço da água.


Tudo eram riquezas naturais. As frondosas figueiras onde vivi em meio a todos tipos de passarinhos, borboletas e susto de algumas cobras que faziam suas refeições.


 


Minha melhor "universidade" foi a da infância. Enriquecidas pelo "cata-vento" que carregava as baterias que nos forneciam luzes amareladas.  O rádio e o gramofone davam um toque mágico, parecendo que a vida levaria muito tempo para passar.


Que ironia! Neste depoimento, percebo que a vida se esvai num zás, ou vapt-vupt!


A cidade era uma continuação, uma extensão das coxilhas, pois ainda havia muitas árvores e rios para se pescar e tomar – proibidos – banhos com a gurizada.


Assim, fui vendo desaparecer 13 quarteirões de árvores adultas de Ipê-Roxo; depois o arroio Santa Bárbara que, (...se a mentalidade fosse de preservação) seria como uma "marina",  atravessando a maior parte da cidade de Pelotas.   Veio o progresso! E a fábrica de papel – que dava empregos para matar a fome de uns – lançando soda caústica resultante do tratamento da celulose, e mil resíduos fedorentos na atmosfera. Assim, se matou o arroio, mataram os  peixes. E a morte foi chegando na Lagoa dos Patos, na Ilha da Feitoria, matando os ganhos  dos pescadores. 


 


Meu vô "flor" (...seu apelido!) era dono de uma parelha de pesca.  Seus enormes barcos enfrentaram tempestades, naufrágios e salvamento do tio-avô Memélo. Mas não sobreviveram às águas poluídas, contaminadas, por óleos lançados de navios.  


 


Estes cenários que vivenciei estão sepultados.  Nem poço, nem fontes, nem arroio, nem peixes, nem árvores! Hoje, com água dos rios, lagoa e oceano poluídos, que sonho e visão otimista ou realidades podemos contar para nossos filhos e netos?


 


Foi na minha infância que aprendi: sem água pura, nada sobrevive! E que pode-se mudar uma cidade, mas não um poço ou uma coleção de água!


Aliás, só sobreviveram estórias da família! ... perdendo-se geração após geração!  Com os primos – às vezes - relembramos a chuva na vidraça, o raio que queimou a árvore e das águas de nossa infância que sumiram. 


Era a crise que - ontem  - ninguém via. E que – hoje – muitos não conseguem ver... infelizmente!   Por tudo, - justifico – escrevi a série "Água,... no Planeta Terra."


 


Dr. Gilnei Fróes - (Escritor técnico-científico, Ecólogo, Médico-veterinário, projetista ambiental))    Em 1990 – Premio de Jornalismo da Brigada Militar do Estado do RGS (com artigo: "TAIM: paralelo 33° ...ameaçado"  (Diário da Manhã – Pelotas / RS). Indicação ao "The Rolex Awards 1990 (Genebra); e ao "The Global 500 Awards" (ONU / Kenya) Autor do livro "Dossiê da Amazônia".  Em 2004, 1° Premio do "I Latino Ambiental Awards". Presidente do "Instituto Bering Fróes Eco Global" . 

ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Ponte Molhada - Cascavel
Cascavel - por Sergio Sanderson
ARQUIVO SOS
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1240536 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

+55 45 3227 7750

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação